4.4 Controle das linhas de base


Para Paula Filho (2003) o controle das linhas de base compreende a realização dos procedimentos de criação e suas alterações, assim com a integração dos produtos, e considera os seguintes passos para o procedimento formal de criação das linhas de base:

 

1. O gestor de configurações do projeto solicita à Comissão de Controle de Configurações de Software do projeto autorização para criar linha de base, a partir dos artefatos aprovados nos procedimentos de controle previstos para a interação. 
2. O gestor de configurações do projeto envia ao Grupo de Garantia da Qualidade de Software a linha de base candidata. 
3. O Grupo de Garantia da Qualidade de Software realiza Auditoria da Qualidade na linha de base, conforme previsto no Plano da Qualidade do Projeto. 
4. Os artefatos não aprovados na Auditoria da Qualidade retornam ao gestor de configurações do projeto para que este providencie a correção dos problemas encontrados. 
5. Se aprovada na Auditoria da Qualidade, a linha de base candidata é enviada ao Grupo de Gestão de Configurações de Software. 
6. O Grupo de Gestão de Configurações de Software verifica se a linha de base está conforme às regras de gestão de configurações e acerta com o gestor de configurações do projeto as possíveis correções. 
7. O Grupo de Gestão de Configurações de Software insere a nova linha de base na Biblioteca Oficial de Projetos. 
8. O Grupo de Gestão de Configurações de Software comunica aos desenvolvedores a inserção da nova linha de base. (PAULA FILHO, 2003, p. 540) 

 

Percebemos aqui a preocupação do autor em definir claramente os passo necessários para um procedimento forma de criação e validação de linha de base, acreditamos que a preocupação é coerente tendo em vista que uma linha de base é o que vai dar corpo ao projeto de software e ela deve mesmo ser cuidada com o objetivo de não ser alterada a cada momento sob risco de não se entregar um projeto no prazo esperado.

 

Paula Filho (2003), descreve os procedimentos para alterações nas linhas de base, comentando que se o projeto envolve apenas um desenvolvedor, as alterações temporárias podem ser feitas no próprio espaço de trabalho, as ferramentas de controle de versão utilizam o termo “work copy” ou “cópia de trabalho”. Vejamos o procedimento:

      1.  
        1. Um desenvolvedor submete à Comissão de Controle de Configurações de Software do projeto afetado um pedido de alteração de linha de base. 
        2. A Comissão de Controle de Configurações de Software do projeto autoriza a alteração dos itens afetados. 
        3. O Grupo de Gestão de Configurações de Software extrai da linha de base os itens afetados. 
        4. O desenvolvedor implementa as alterações. 
        5. A Comissão de Controle de Configurações de Software verifica se foram realizados os controles necessários (revisões, testes de regressão etc.) e aprova a alteração. 
        6. Os itens alterados são enviados ao Grupo de Gestão de Configurações de Software. 
        7. O Grupo de Gestão de Configurações de Software verifica se os itens alterados estão conforme às regras da gestão de configurações. 
        8. O Grupo de Gestão de Configurações de Software insere na linha de base e trava novamente os itens alterados. 
        9. O Grupo de Gestão de Configurações de Software comunica aos desenvolvedores a alteração na linha de base. (PAULA FILHO, 2003, p. 542). 

         

Este procedimento cobre os passos para uma solicitação de mudanças de uma linha de base, nota-se aqui que o inicio ocorre com uma solicitação por parte do desenvolvedor. Neste ponto acreditamos que a solicitação pode partir  de qualquer um dos interessados e envolvidos com o referido projeto de software, principalmente se garantirmos que para casa alteração solicitada exista um registro desta solicitação. Paula Filho (2003) lista o que deve conter uma solicitação de alteração de linha de base:

 

  • nome do projeto; 
  • número da proposta de alteração dentro do projeto; 
  • data da proposição; 
  • proponente da alteração; 
  • descrição da alteração; 
  • motivo da alteração; 
  • impactos da alteração; 
  • data prevista para o início da alteração; 
  • data prevista para o término da alteração; 
  • recursos necessários; 
  • parecer da Comissão de Controle de Configurações de Software do projeto; 
  • assinaturas da Comissão de Controle de Configurações de Software. (PAULA FILHO, 2003, p. 543) 

 

Comments