2.2 Norma NBR ISO 10007: 2005 – Sistema de Gestão da Qualidade


NBR ISO 10007: 2005 – Sistema de Gestão da Qualidade – Diretrizes para gestão de configuração. Seu propósito é aumentar o entendimento do assunto, promover o uso da gestão de configuração e auxiliar organizações a aplicar gestão de configuração para melhorar seu desempenho, tem como objeto atender aos requisitos de identificação e rastreabilidade especificados na ABNT NBR ISO 9001.

 

Esta norma define a Gestão de Configuração como um conjunto de atividades de apoio ao desenvolvimento possibilitando que as mudanças que forem surgindo com o desenvolvimento do produto sejam absorvidas pelo projeto de maneira controlada, mantendo a estabilidade na evolução do produto. Com esta definição esta norma utiliza-se desta prática para em um sistema de gestão de qualidade fornecer as diretrizes para a gestão de configuração.

 

A norma traz a seguinte definição de Gerência de Configuração:

 

A gestão de configuração é uma atividade gerencial que fornece orientações técnicas e administrativas para o ciclo de vida de um produto, seus itens de configuração e informações de configuração de produto concernentes. A gestão de configuração documenta a configuração do produto. Proporciona meios para a identificação e rastreabilidade, identificação da situação de atendimento dos requisitos físicos e funcionais e o acesso à informação acurada em todas as fases do ciclo de vida. (ABNT NBR ISO 10007:2005).

 

A norma fornece uma orientação sobre a utilização de Gestão de Configuração nas empresas, definindo sua aplicação em todo ciclo de vida do produto, dando suporte e orientando desde a concepção até a entrega do produto.

A norma orienta a atribuição de responsabilidades e autoridades , em seguida descreve o processo de Gestão de Configuração, através das atividades de planejamento, identificação, controle, contabilização e auditorias.

 

As atribuições de responsabilidades e autoridades devem ser identificados e estabelecidos pela empresa levando em consideração a implementação e verificação do processo de gerência de configuração. A norma recomenda que seja levada em conta complexidade e natureza do projeto, necessidades existentes em diferentes pontos do ciclo de vida e outras prioridades direta ou indiretamente relacionadas com esse processo.

 

O gerente de configuração deve disponibilizar o ambiente e a infra-estrutura do Gerenciamento de Configuração para a equipe de desenvolvimento do produto. Sua função é oferecer suporte à atividade de desenvolvimento de produtos para que os desenvolvedores, analistas de requisitos e testes tenham espaços de trabalho condizentes com suas funções para criar e testar seus trabalhos, permitindo que todos os produtos gerados fiquem disponíveis.

 

O gerente deve fazer a verificação das atividades de implementação e controle de mudanças. O responsável pela projeto antes de autorizar uma mudança deve estudar se a alteração proposta é necessária e adequada à documentação do projeto, qual o impacto que esta alteração provocará e se for implementado irá satisfazer a deficiência do produto.

 

A norma também define que a gerência de configuração pode ser representada uma pessoa ou um grupo de pessoas, dependendo das necessidades do projeto e politica da empresa.

 

O processo de gerência de configuração conforme a norma recomenda:

 

A gerência de configuração deve possuir um Plano de Configuração onde descreve as atividades de requisitos do cliente, o ambiente de desenvolvimento, as características e procedimentos que serão realizados para conduzir o projeto durante todo o ciclo de vida.

 

O planejamento deve ter como saída o Plano de Gestão de Configuração que contém as atividades de configuração, as ferramentas, os procedimentos utilizados e o que será controlado durante o ciclo de vida do produto.

 

A norma especifica que a gestão de configuração irá cuidar de como os artefatos obtidos devem ser nomeados, marcados e numerados, como e onde a documentação será armazenada, um controle de versões, o controle de mudanças e os procedimentos necessários cada aprovação , procedimentos gerais adotados pela empresa, as responsabilidades e autoridades referentes à gestão de configuração. Dependendo da complexidade, tanto da empresa como do projeto, o plano pode ser simples e objetivo, complexo, ou ainda pode ser parte de outros planos.

 

A Norma NBR ISO 10007: 2005 especifica a seguinte estrutura de um plano de gestão de configuração.

 

1. Generalidades

2. Introdução

Seção introdutória fornecendo informações gerais contendo os seguintes tópicos:


       a. Propósito e Escopo

       b. Descrição do Produto e dos Itens de Configuração

       c. Cronograma

       d. Descrição da Ferramentas de Gestão de Configuração

       e. Documentos Relacionados

 

3. Políticas

       Descrição das políticas de gestão de configuração acordadas com os stakeholders.

 

4. Identificação de Configuração

 

       Métodos e convenções em geral para identificação.

 

5. Controle de Alterações

 

       Métodos e procedimentos relacionados a mudanças.

 

6. Contabilização da Situação de Configuração

 

7. Auditoria de Configuração